Na última quinta, 02/08, foi realizada a final da 1º Torneio de Snooker da ASBEMGE, que vinha sendo disputado há 45 dias. Foram 32 jogadores em busca do título e o vencedor foi Wellington Faria.

As semifinais foram disputadas entre: Dutra x Eduardo Maia, com a vitória de Dutra; e Neto x Wellington Faria, com a vitória de Wellington. A final aconteceu entre Dutra e Wellington, sendo que Wellington levou a melhor e levantou o troféu da primeira copa de snooker da Asbemge.

O snooker (sinuca internacional) é diferente da regra brasileira e é jogado em mesa de dimensões maiores, de padrão internacional. Em dezembro do ano passado, a Asbemge inaugurou o seu novo salão de sinuca, o Salão José Horta de Carvalho, que passou por reformas e ampliações e foi preparado para campeonatos de alto nível. Dentre as novidades, o Clube adquiriu uma mesa inglesa, com medidas regulamentadas pelo padrão internacional, possibilitando a disputa nesta modalidade.

"Esse torneio, foi realizado para incentivar os jogadores a praticarem a regra internacional e se adaptarem ao jogo que está caminhando para tornar-se um esporte olímpico. Nosso clube tem jogadores de excelente nível técnico e essas competições aprimoram o jogo e unem mais ainda o grupo", explicou o diretor de Sinuca da Asbemge, André Canuto, que atuou na arbitragem da disputa final ao lado do árbitro Geferson.

“O torneio foi maravilhoso, bem organizado e disputado”, comenta o campeão, Wellington Faria. “A regra brasileira foi criada em cima do snooker, que é a regra principal, disputada na Europa. A gente tem que evoluir, criar mais campeonatos deste nível, para o pessoal se familiarizar e começar a gostar. Porque futuramente, quem quiser jogar fora do Brasil terá que ser na regra do snooker”, completa o jogador, que já disputa o snooker há cinco anos, sendo campeão vice-campeão brasileiro em 2016 na categoria Master 40 e 3º colocado na categoria Master.

O presidente interino da Federação Mineira de Sinuca e Bilhar, Firmiano de Sousa Neto, ressaltou a importância do torneio: “Foi muito oportuno porque é uma modalidade de sinuca que a gente ainda pratica pouco. A mesa é maior que a tradicional. Com a realização do evento, os jogadores puderam praticar e se acostumar um pouco com a regra do snooker, que é diferente da sinuca original. E essa regra é internacional. Se você sair hoje do Brasil para disputar sinuca, você necessariamente terá que jogar nesta regra. E caso a sinuca venha a ser uma modalidade olímpica, nós teremos que inevitavelmente, no futuro, treinar os jogadores nessa regra”.

A Asbemge sai mais uma vez na frente, profissionalizando o esporte e fortalecendo a sinuca no Estado de Minas Gerais.


Wellington e Neto, semifinalistas

 


Eduardo Maia e Dutra, semifinalistas

 


Os finalistas Wellington e Dutra, entre os árbitros André e Geferson